top of page
Recurso 1LOGOTIPOpb2.png
Bebê com brinquedo de madeira

SEJA BEM-VINDO À 

CLÍNICA DIECKMANN

                               KIDS

Nossa Missão é Promover saúde e qualidade de vida através de atendimento personalizado, conhecimento técnico-científico de excelência, e atuação multiprofissional.

> Agende sua consulta

ESPECIALIDADES 

CLÍNICAS E MÉDICAS

Dos primeiros anos de vida até a melhor idade, a CLÍNICA DIECKMANN oferece uma visão global e multiprofissional da saúde.

AMBIENTES MODERNOS E CONFORTÁVEIS

Criamos um ambiente especialmente projetado para oferecer conforto, segurança e privacidade para pacientes e familiares

CORPO CLÍNICO QUALIFICADO E MULTIPROFISSIONAL 

Contamos com um corpo clínico multiprofissional e altamente qualificado possibilitando atendimento em mais de 10 especialidades clínicas e médicas

Fabricia Signorelli Galeti - Psiquiatra.JPG

Tem experiência profissional e produções científicas nas áreas de Neurociências e Psicologia da Saúde.

WhatsApp Image 2022-07-14 at 1.32.50 PM.jpeg

Psicóloga. Mestre em Psicobiologia.

Maria Claudia.jpg

Fonoaudióloga infantil - distúrbios do desenvolvimento

Jucineide Silva Xavier - Psicológa.jpg

Psicóloga, especialista em neuropsicologia, mestre em Distúrbios do Desenvolvimento

Rodrigo Reis - Foto.jpg

Graduação médica pela Faculdade de Medicina de Valença - FAA; Valenca / RJ

COMPROMISSO COM A EXCELÊNCIA E PROMOÇÃO DA SAÚDE 

Somos comprometidos com ações de promoção da saúde, prevenção de riscos e doenças e informações conscientes que incentivam condutas adequadas à melhoria da qualidade de vida

Exame de genética (Teste Farmacogenético) realmente funciona na Psiquiatria?
01:36:36

Exame de genética (Teste Farmacogenético) realmente funciona na Psiquiatria?

Descrição : Caros colegas médicos e profissionais da área de saúde,fui convidado para falar um pouquinho sobre a experiência no consultório nestes últimos anos com este tipo de tecnologia (genotipagem) que vem sendo incorporada pela medicina personalizada. Foi um Seminário organizado pela empresa GnTech sobre Farmacogenética no Brasil, que ocorreu em São Paulo no dia 12/04, às 19:00hs na Eretz.bio (Eretz.bio | Incubadora de Startups do Hospital Albert Einstein) localizada na Vila Mariana. Me chamo Luiz Dieckmann e sou Psiquiatra aqui em SP capital. O assunto do momento é a genotipagem e a entrevista do Jorge Pontual, e as críticas em relação ao tom dado na reportagem, como se testes pudessem substituir escolhas médicas, o que claramente não é verdade. Sou fã de genética e psicofarmacologia e tenho acompanhado e usado no meu consultório nos últimos anos e visto a evolução da técnica e do nivel de evidência de cada um dos genes propostos, com muita esperança em dias melhores para nossos pacientes. Já fiz inúmeros testes no Lim 27(USP SP) , Neurofarmagen (Espanha representada pela Bago), Genomic (são Paulo), SureX (EUA), Fleury (que manda pra Clínica Mayo -EUA) , na Gntech (que realiza atualmente os exames no Einstein) e mais duas empresas que fecharam nos EUA no passado. Não estou aqui pra discutir o que é melhor ou pior neste momento, opiniões vão divergir. Felizmente a psicofarmacologia avançou MUITO , mas Apesar dessas melhorias, uma porcentagem significativa de pacientes não alcançam os benefícios adequados com ostratamentos atuais ou experimentam efeitos adversos que afetam negativamente sua qualidade de vida. Nossa torcida é sempre que as pesquisas produzam novos tratamentos eficazes para esses indivíduos, bem como biomarcadores cada vez mais apurados para tentar nos ajudar. NÃO TEM NADA RELACIONADO COM DIAGNÓSTICO, e sim com as escolhas que vamos fazer CASO A MEDICAÇÃO seja necessário (o que sabemos que muitas vezes não é).Se faz a partir da análise de genes e variantes que, sabidamente, estão relacionados com a resposta, metabolismo e toxicidade dos medicamentos). Os testes podem ir muito além de avaliar somente metabolização pela CYP 450. Na última década, houveram avanços substanciais na compreensão da variabilidade genética associada à resposta aos fármacos (eficácia e toxicidade) e requisitos para ajuste de dosagem dos mesmos para determinado grupo de pacientes. Em alguns casos, essas associações genéticas (gene-fármaco) foram amplamente replicadas e os efeitos são suficientemente comprovados para que sejam preditivas e robustas para serem úteis no cenário clínico. Ainda outros casos bem sucedidos originaram as publicações de diretrizes de dosagem baseadas em relações fármaco-gene que se sabe serem clinicamente acionáveis pelo Consórcio de Implementação de Farmacogenética Clínica (CPIC) (https://cpicpgx.org). Até o momento 33 guidelines CPIC foram publicadas e revisadas no site https://cpicpgx.org/guidelines/ (vale a pena checar os níveis de evidências de cada gene, leitura super interessante) A pergunta é sempre sobre quais variantes genéticas se têm evidência suficientemente robusta para orientar a tomada de decisão clínica? Existem testes chamados apenas de metabolização, ou seja, que avaliam a família da CYP450 com as subfamílias principais :2D6,2C9, 2C19,1A2, 3A4,3A5,2B6 O interessante é que hoje, além destes genes de metabolização, podemos avaliar os genes chamados de resposta e toxicidade. Olhem por exemplo o gene SLC6A4, que esta relacionado com o transportador de serotonina, é um bom exemplo. Em vez de fornecer uma nova terapia, a grande maioria dos achados farmacogenéticos estão simplesmente complementando o conhecimento do médico sobre medicamentos previamente aprovados. Os médicos já utilizam os precedentes clínicos de seus pacientes (peso, gênero, função orgânica presumida, interação medicamentosa, conformidade) ao tomar decisões sobre fármacos prescritos. Não é uma panacéia, longe disso! Mas para pacientes refratários ou que tenham condições financeiras (mesmo sem ser refratário), são dados que ajudam muito a ERRAR MENOS. É essa a mentalidade que temos que ter. Se eu pego um metabolizador ultrarapido de 2D6, pra que insitir com paroxetina, venlafaxina, vortioxetina, pula pra outro gene de metabolização. Se você já sabe que os transportadores de serotonina, e alguns receptores de serotonina tem alterações já encontradas(ht1a, ht2a por exemplo) não seria caso de pensar numa mirtazapina? Numa bupropiona? Mais do que explicar algo, queria deixar estes pontos de discussão.
Entrevista Megatv - Reportagem sobre Depressão - Maio de 2014 - Luiz Henrique Junqueira Dieckmann
14:40

Entrevista Megatv - Reportagem sobre Depressão - Maio de 2014 - Luiz Henrique Junqueira Dieckmann

Médico Psiquiatra: Luiz Henrique Junqueira Dieckmann Psicóloga: Ana Merzel Todos os direitos reservados para MegaTV - Edição Saúde http://www.megatv.com.br/edicaosaude Texto de chamada da Reportagem: " Dados recentes da Organização Mundial de Saúde mostram que os casos de depressão multiplicam-se em todo o mundo. Só no Brasil já são 17 milhões de pessoas . O Programa Edição Saúde apresenta uma reportagem sobre essa doença, que nem sempre é tratada e pode causar prejuízos importantes na qualidade de vida. Muitas vezes, as pessoas confundem a depressão com uma simples alteração de humor, uma sensação transitória de tristeza ou até mesmo dificuldade em dormir. Não é raro atribuir esses sinais a um estresse momentâneo, ou a um cansaço exagerado. Mas é importante identificar até que ponto esses sentimentos afetam as atividades do dia a dia como o trabalho, os relacionamentos interpessoais, a vontade de interagir com os acontecimentos do quotidiano e buscar ajuda. Tivemos a oportunidade de conhecer a história da apresentadora de TV, Renata Del Bianco, que fez muito sucesso com a primeira versão da novela Chiquititas, mas depois que as atividades relacionadas com a fama terminaram, mergulhou numa tristeza profunda, e esteve em depressão. Ela conta como fez para se recuperar, e retomar a vida com alegria e disposição. A pedagoga Rita Nagem também conta como enfrenta a depressão e como foi importante o apoio familiar , psiquiátrico e a atividade física. Na segunda parte da nossa reportagem, uma abordagem sobre os vários níveis de depressão, os profissionais indicados para diagnóstico e tratamento, as particularidades dos medicamentos e efeitos colaterais, e a importância do apoio familiar para ajudar o paciente com depressão, a buscar formas de reagir a apatia da vida. Você vai conhecer também a relação da doença com o histórico familiar, os gatilhos que podem levar à depressão, e quais os caminhos que a Medicina oferece para o paciente com depressão se sentir melhor, e ter uma vida saudável."